de onde não se vê quando se está

O projeto de onde não se vê quando se está busca adicionar à experiência do público a chance de simultaneamente estar neste objeto marcante e perder de vista sua imagem. Para isso, propomos a ocupação da laje de cobertura do museu, de onde não se pode mais determinar seus limites nem reconhecer sua forma. A arquitetura que habitualmente é (re)conhecida por sua aparência visual, seu estatuto de ícone, é subvertida a um suporte para a imaginação, desvelando camadas interpretativas até então ocultas. A forma da superfície de cobertura, côncava para quem mira por baixo – a partir do salão de exposições – e convexa para quem a ocupa por cima, potencializa o que chamamos da dissolução do MAC, ou ao menos da imagem que se tem dele. Estar na laje convexa é oferecer novas possibilidades de associações, é transferir para o imaginário do público a responsabilidade de definir o que é o trabalho, ou no limite, o que é o MAC.

endereço mac niteroi - mirante da boa viagem, s/nº - boa viagem, niterói
fase projeto realizado
prêmio vencedor do III prêmio Reynaldo Roels jr (eav parque lage)
início do projeto 2017

autoria pedro varella
desenvovimento gru.a
(caio calafate, andré cavendish, júlia carreiro)

projeto de estrutura rodrigo affonso
locação estrutura jirau
montagem new alfa

fotografias
lauro rocha
tui lana (drone)

agradecimento bruno contarini